Mantendo a água da piscina limpa e saudável

Uso de cloro está no centro de polêmica a respeito do melhor tratamento para a água de piscinas. Veja o que dizem os especialistas.

O cloro vem sendo utilizado há mais de um século como desinfetante de água de piscina com muito sucesso. Segundo Martim Penna, ex-diretor executivo da Abiclor (associação Sul-Americana da Indústria de Cloro Soda e Derivados), a substância possui três características essenciais para o fato:

  • Atua como rápido e persistente sanitizante;
  • É um algicida efetivo;
  • É um forte oxidante (substância que elimina materiais orgânicos que podem alterar a cor da água, gerar odores ou servir de alimento aos micróbios) de contaminantes indesejados.

Gerson Barbieri, químico com mais de 35 anos de atuação profissional e que atualmente é especialista em tratamento de piscinas institucionais, defende a utilização do Hipoclorito de Sódio como a melhor solução para a boa saúde da piscina e de seus usuários. “Como empresário, eu poderia trabalhar com qualquer produto relacionado ao tratamento da água. Tenho que estar sempre atualizado porque é uma exigência do mercado. Porém minha ética exige que eu trabalhe em determinados regimes”.

Assim como Penna, Gerson também tem uma opinião formada sobre a polêmica atual a respeito do melhor sistema de tratamento de água para piscinas: “o cloro, por ser o método mais antigo, é também o mais estudado e o que tem maior número de informações. É fácil enumerar os pontos positivos e negativos do produto. No entanto, os demais sistemas de tratamento ainda não têm, em sua maioria, regulamentação adequada ou ainda informação suficiente que comprovem sua eficácia”.

Tratamento com Sal

Barbieri explica que o tratamento com sal nada mais é do que a produção do cloro no próprio local onde está a piscina. Prova disso, é que um equipamento chamado “gerador de cloro” é instalado no sistema. “O sal entra em contato com uma célula de titânio que, por eletricidade (eletrólise) gera ácido hipocloroso. Porém ainda não há uma regulamentação específica sobre a quantidade de sal e concentração de cloro necessários para manter a piscina saudável neste sistema. Mas, para se ter uma ideia, é preciso de cerca de 400 Kg de sal para cada 100 m3 de água para manter concentrações adequadas”. Sobre as principais vantagens, o especialista ainda esclarece que “por gerar cloro 24 horas por dia, o pH varia pouco. Por isso, o controle da piscina é mais fácil. Mas, a principal vantagem é que, em última análise, o sistema utiliza cloro na desinfecção da piscina”.

Ozônio

Segundo o especialista, o uso de Ozônio pode ser mais prejudicial ao atleta do que é divulgado. “Na superfície da piscina, em concentrações acima de 0,1ppm, o gás é tóxico à saúde humana. Além disso, tende a retirar oxigênio do ambiente, causando fadiga e, consequentemente, queda de rendimento do atleta”.

O que a maioria dos fabricantes omite diz respeito à legislação que exige concentrações mínimas de cloro na água da piscina: “O controle é feito pela Vigilância Sanitária e existe exatamente pelo fato do cloro ter efeito residual, que o sistema de tratamento com Ozônio e Ultravioleta não contempla. O único meio de manter a qualidade e a saúde da água, em toda a área da piscina é, comprovadamente, o uso de cloro”.

 

Na Mori Natação, todas as piscinas são tratadas com uso de cloro nas dosagens estipuladas pelos melhores especialistas de modo que a água esteja sempre limpa, equilibrada e saudável. Venha fazer uma aula experimental para comprovar!

 

Logo Mori 40 Anos (Contorno Branco)_pages
CLIQUE AQUI PARA AULA EXPERIMENTAL GRATUITA

2017-10-31T13:02:48+00:00

Deixar Um Comentário

seis − 1 =